Você tem visto que o uso do BIM (Building Information Model), em suas diferentes dimensões, pode envolver todo o ciclo de vida de uma edificação. Por meio do BIM 3D, por exemplo, é possível agregar informações ao modelo e analisar interferências (clash detection). Já o BIM 4D viabiliza a incorporação ao modelo 3D da variável tempo, oferecendo oportunidades para se ter um planejamento mais consistente do projeto.

O BIM 5D surge quando se adiciona a esse modelo uma variável a mais: o custo. Por meio de softwares de gestão e análise, bem como das próprias ferramentas de modelagem, o BIM 5D permite extrair automaticamente quantitativos e insumos para a elaboração de um cronograma físico-financeiro mais preciso. 

Mais além, a criação de modelos 5D possibilita que os diversos envolvidos em um projeto (arquitetos, projetistas, construtores e incorporadores) visualizem não só o progresso das atividades de construção, como também a evolução dos  custos ao longo do tempo.

EXTRAÇÃO DE QUANTITATIVOS

Embora ainda seja bastante incipiente, o uso do 5D cresce entre as construtoras brasileiras. Entre os motivos que explicam o interesse por essa tecnologia está a oportunidade de atribuir valores associados ao projeto, reduzindo erros relacionados ao orçamento da obra e ao controle de custos.

Se somar-se a isso o processo facilitado de compatibilização proporcionado pelo BIM, fica nítido como o BIM 5D diminui a chance de ocorrerem erros na extração de quantitativos, em comparação ao modelo convencional de elaboração de orçamentos.

Para se ter uma ideia, algumas construtoras têm conseguido orçar uma obra com cerca de 90% mais eficiência. Também há registros de redução de 80% no tempo para a geração de uma estimativa de custos.

VANTAGENS ASSOCIADAS

A seguir, você pode conferir alguns ganhos que as construtoras têm obtido com a implantação do BIM 5D.

  • Redução do retrabalho nas etapas de planejamento e orçamentação
  • Maior agilidade ao levantamento de quantitativos
  • Atualização constante do orçamento. Quando alterações são realizadas no projeto, o orçamento também é alterado automaticamente
  • Mais acessibilidade às informações. 
  • Obtenção de orçamentos com menos erros e conflitos.
  • Agilidade na tomada de decisões. A modelagem 5D permite visualizar e explorar os impactos das modificações no projeto, bem como  manter o escopo alinhado entre os projetistas e o proprietário.
  • Controle orçamentário mais visual, facilitando o seu entendimento e diminuindo os possíveis erros que poderiam vir a acontecer, decorrentes da falta de controle.

PEDRAS NO CAMINHO

A elaboração de orçamentos assertivos é um desafio enorme para a maioria das construtoras. Ela exige que todos os quantitativos sejam levantados e que preços unitários sejam pesquisados e associados às respectivas quantidades que englobam tanto os serviços a serem executados, quanto os materiais necessários e a equipe responsável por cada etapa.

No caso do BIM aplicado à orçamentação, um pré-requisito é a elaboração do planejamento do cronograma (BIM 4D). Também é preciso que o modelo possua um nível de detalhamento compatível com o grau de precisão que se espera do orçamento.

Hoje, garantir uma modelagem com o nível de informações adequado para a orçamentação ainda é um obstáculo à implementação do 5D. Mas a expectativa é a de que isso mude com o amadurecimento da tecnologia e dos profissionais que trabalham com ela.

Se você quiser aprofundar seus conhecimentos sobre o uso do BIM no Brasil, indico a leitura de dois textos publicados recentemente e que podem te interessar. O primeiro artigo aborda, de modo didático, todas as dimensões do BIM. O segundo mostra como o BIM 4D vem adicionando precisão ao planejamento das obras.

Se esse conteúdo foi útil para você, não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais!

Até a próxima!

Autodoc

Author Autodoc

More posts by Autodoc

Leave a Reply