Skip to main content

Há mais de dez anos, a Método Engenharia vem utilizando o BIM (Building Information Modeling) em suas obras. Ao longo dessa jornada, a empresa foi amadurecendo e aumentando as aplicações da tecnologia. Em 2019, como resultado desse processo, a construtora foi reconhecida com o Prêmio de Excelência BIM oferecido pelo Sinduscon-SP em função do trabalho realizado pelo consórcio integrado pela Método nas obras do Aeroporto Internacional de Fortaleza (Ceará). Tema do nosso post de hoje, o case chama a atenção pela extensão do uso da modelagem desde a pré-construção. Continue conosco para saber mais:

ESCOPO DESAFIADOR

Administrado pela Fraport Brasil, o Aeroporto de Fortaleza é um hub importante para voos entre Brasil, Europa e América do Norte. Entre 2018 e 2020, o local passou por um profundo processo de ampliação e modernização.

O projeto contemplou a renovação e a expansão do terminal de passageiros, além da ampliação das pistas de pouso e decolagem. O escopo previu, também, a reformulação de todo o sistema viário de acesso, com a construção de um viaduto de interligação. 

Minimizar os impactos dessas intervenções às operações do aeroporto foi um desafio importante às construtoras envolvidas. Afinal, todos os serviços foram realizados com a infraestrutura em pleno funcionamento. Janela de trabalho entre horários de vôos, múltiplos stakeholders em todas as instâncias civis e chuvas que impediam os trabalhos nas pistas, foram outras dificuldades superadas. Os trabalhos chegaram a empregar um efetivo de 1300 pessoas.

APLICAÇÕES EM MÚLTIPLAS DIMENSÕES

Em Fortaleza, o BIM foi utilizado para visualização, detecção de interferências, produção de cronograma ilustrado e para extração de quantitativos, municiando as áreas de suprimentos e orçamentos. O modelo também serviu de apoio para controle de qualidade, processos enxutos, demolição e análise de engenharia de valor.

Mas não ficou por aí. O aeroporto cearense teve a primeira implantação de BIM vinculada a um software para gestão de facilities (Archibus) no Brasil. Como resultado, a administração do aeroporto passa a contar com melhor organização e rastreabilidade das documentações relacionadas à gestão de facilidades. Grandes volumes de databooks, por exemplo, foram transformados em arquivos digitais de fácil acesso e manuseio. Além disso, graças às informações precisas do As built produzido a partir do modelo 3D, futuras reformas serão facilitadas.

PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE VALOR

A arquiteta Camila Kfouri, especialista BIM na Método Engenharia, conta que a modelagem da informação teve papel fundamental para o sucesso das obras no Aeroporto de Fortaleza. Na etapa de pré-construção, o BIM permitiu a simulação do planejamento e tomadas de decisão mais rápidas e assertivas. “Conseguimos identificar gaps no cronograma com antecedência e discutir a sequência executiva com a equipe de obra com mais detalhamento”, comentou Kfouri. No apoio à engenharia de valor, o modelo também colaborou para demonstrar ao cliente os impactos estéticos, em custos e no cronograma das alterações no projeto propostas pelo consórcio. 

Na compatibilização de projetos, calcula-se que o BIM tenha evitado mais de mil conflitos entre as disciplinas. Vale lembrar que o escopo do trabalho envolvia, também, a compatibilização da nova edificação com a estrutura existente.

Durante o planejamento, a possibilidade de trabalhar com um cronograma ilustrado agregou maior facilidade de visualização pelas equipes. Já durante a obra, os modelos BIM continuaram apoiando as atividades, permitindo melhor compreensão de detalhes construtivos e facilitando o entendimento. Os modelos foram, inclusive, combinados à realidade virtual para permitir o acesso ao modelo 3D no canteiro através de leitura de QR Code.

AUTODOC PROJETOS  E FVS

A qualidade do fluxo de integração e de colaboração entre os projetos é uma condição para uma aplicação BIM bem-sucedida. 

“O BIM se apoia no tripé pessoas, processos e ferramentas. Sem processos alinhados, pessoas capacitadas e ferramentas adequadas, a modelagem da informação não se sustenta”, analisa Camila Kfouri.

Em Fortaleza, o consórcio construtor contou com o apoio do Autodoc Projetos, ferramenta de gestão de projetos e de ocorrências que favorece a colaboração. As obras no aeroporto cearense também utilizaram o Autodoc FVS para coleta e armazenamento de dados das inspeções. Nesse caso, o consórcio importou os dados do FVS para os modelos 3D, permitindo melhor integração com o sistema de gestão.

Leia também: 

Autodoc

Autor Autodoc

Mais posts de Autodoc

Deixe um Comentário